quarta-feira, 28 de outubro de 2009

HABI(TABI)LIDADES


Vizinhas águas de vez meus olhos nacionais colonizam.
Águas, digo, de ideia antiga. Variantes corruptas a seguir
exaltam a imortal cegueira dos paraísos. Lunares, as orelhas
escutam-nos (dogmaticamente) em climas imprevistos,
sem que o burguês analfabeto, à luz ignóbil
da noite aberta a muito, dê por concluída
a leitura completa de vinte sonetos,
entre os quais se nomeavam
dizeres parecidos com incerta
alegria: história para miúdos odiosos.

Soberbos rapazes, entretanto, desenhavam espirais
inexperientes, pelo menos ao longe, no sítio do hábito,
junto do sexo — acho —, esse bicho estacionário,
com ruído de pássaros companheiro.
Enchiam também os bolsos ocultas influências
de lexemas resolutos,
e as bocas paradas confiavam no espanto.
Ou então: bem sei, pontapé
na gramática obscura das coisas.

(Nem por isso tinham casa
habitável.)


Eurico de Carvalho
In «O Tecto»,

Ano X, n.º 64,

Agosto/2009, pág. 6.





Etiquetas:

0 Leituras da Montr@:

Enviar um comentário

Montr@ das Leituras:

Criar uma hiperligação

<< Home