sexta-feira, 13 de setembro de 2013

DERRADEIRO RESGATE NOVECENTISTA DA GAVETA DA ADOLESCÊNCIA



É difícil amordaçar a ternura. Olhar-te
como quem olha para uma estrela com óculos de sol
escondendo lágrimas de cal magra.

É difícil amordaçar a ternura. Basta ficar rouco
de buscar palavras de terra e parto. Agora
ir contigo calado e doido há de doer para sempre.

É difícil amordaçar a ternura. Dar de alarme
ao mínimo sinal de amor. Depois dói
a dura arte de estar fora de ti.

É difícil amordaçar a ternura. Por isso escrevo
versos estes de flor de abrir. Havermos dito isto
ainda assim tudo é nada.



Eurico de Carvalho

In «O TECTO», Ano XII, n.º 76, Janeiro de 2013, p. 10





Etiquetas:

0 Leituras da Montr@:

Enviar um comentário

Montr@ das Leituras:

Criar uma hiperligação

<< Home