segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

«JORNAL DOS ARCOS» — IN MEMORIAM





Numa folha bastarda de um livro de Borges, descubro a figura austera de uma Enciclopédia Universal dos Periódicos Mortos. Folheio avidamente o volume relativo à letra jota — e deparo-me, sem surpresa, com um certo verbete irreverente:
«Jornal dos Arcos» — Título vila-condense, de alcance escolar, cujo ciclo vital irrompeu em janeiro de dois mil e cinco e veio a desaguar, sem mágoa, em junho de dois mil e treze. No decurso dos seus oito anos de existência, floriram dezassete edições (correspondentes a um total de duzentas e setenta e duas páginas impressas a preto e branco). Com periodicidade bianual e uma tiragem média de quatrocentos exemplares, tornou-se rapidamente a janela aberta e a «imagem de marca» da Escola Secundária D. Afonso Sanches. Sob a direção de Eurico de Carvalho, desenvolveu-se um meritório trabalho de equipa, para o qual contribuíram, em particular, o notável rigor editorial de Manuel Fontão e a exigente imaginação gráfica de Alberto Oliveira e Rui Santos. Passaram a ser parte, portanto, não sendo cega a musa da História, do áureo friso de uma monografia vindoura.
É verdade, então, que os jornais também morrem. Em toda a minha vida, que vai a caminho do meio século, soçobraram à fúria do capital e do tempo inúmeros títulos. É por ser demasiadamente longo o necrológio que posso citar alguns de memória: «O Comércio do Porto», a «Gazeta dos Desportos», o «Diário de Lisboa», o «Diário Popular», o «Independente», o «Tempo», «A Capital» e, acima de todos, «O Jornal». Mas se era a sua leitura, para mim, um ritual hebdomadário, isso apenas se devia a um senhor que escrevia na água e se chamava Abelaira. Simplesmente imperdível!
Do mesmo modo, imagino agora o leitor ideal do «Jornal dos Arcos», i.e., antecipando com volúpia o prazer de ler, por exemplo, os artigos acerca do nosso patrono da autoria de Fernando Nabais. Imagino-o igualmente a tentar adivinhar os temas de capa. E foram tantos! De resto, não será de mais lembrá-los: «D. Afonso Sanches — o Trovador e o Aristocrata», «Globalização — o Nosso Mundo é uma Aldeia», «Blogosfera», «O Futuro da Democracia», «O Centenário da República», «Escritores de Vila do Conde», «Sexualidades & Toxicodependências», «E se fosses uma Personagem de Banda Desenhada?», «Heróis do Nosso Tempo», «Estaremos Sós no Universo?», «O Futuro da Europa», «Onde está a Felicidade?» e, inevitavelmente, «A Crise». Desta lista (incompleta, aliás), há que realçar a diversidade temática. Com tal riqueza de conteúdo, de facto, quisemos garantir, à partida, a ressurreição instrumental de cada número, ou seja, a sua imediata posteridade. Por que via? Através de uma reutilização inteligente em plena sala de aula. Realmente, enquanto fonte documental, o «Jornal dos Arcos», pese embora a sua certidão de óbito, não morreu e, assim o queiram os leitores, nunca há de morrer.
A esta distância, já de meses vários, urge dizer a boa sensação de um dever que se cumpriu. Com efeito, foram inteiramente satisfeitos os objetivos que presidiram à fundação do «Jornal dos Arcos»: (i) promover a imagem da Escola junto do meio envolvente; (ii) estimular a criatividade discente; (iii) iniciar os alunos nas técnicas de redação jornalística; (iv) contribuir para o debate interno de ideias; (v) divulgar as atividades e iniciativas escolares; (vi) cultivar o gosto pela escrita e pela leitura; (vii) reforçar o sentido de pertença à comunidade educativa; e (viii) promover o uso das novas tecnologias de informação e comunicação. Como se depreende facilmente deste elenco estratégico, o «Jornal dos Arcos» sempre quis ser, acima de tudo, um jornal dos alunos e para os alunos. Não podia deixar de ter, por isso mesmo, a marca do seu engenho criativo. E assim aconteceu, de uma forma emblemática, com a escolha do título do próprio jornal e com a definição do grafismo do seu cabeçalhoApesar da inexistência curricular de um Curso de Artes, tivemos a felicidade de apostar na matéria‑prima da casa. E ganhámos a aposta! Só me resta desejar, por conseguinte, a quem nos sucede nesta nobre tarefa de contar a vida de uma escola, a mesma aposta e uma fortuna ainda maior do que a nossa!


Eurico de Carvalho

In «Impressões», n.º 1 do jornal do Agrupamento de Escolas D. Afonso Sanches. Dezembro de 2013 (p. 2).



Etiquetas:

0 Leituras da Montr@:

Enviar um comentário

Montr@ das Leituras:

Criar uma hiperligação

<< Home